Modules: # 90M/061659 | # 79L/110635 | # 98S/012716 | # 112M/123619

 

"Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos, / De vos ouvir demasiadamente de perto, / E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso / De expressão de todas as minhas sensações, / Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas!"



Waste Disposal Machine: apresentação

Cinco personalidades diferentes e cinco trajectos musicais diversos convergem num conceito musical comum: Waste Disposal Machine. Não se vinculando a nenhum género musical específico, os Waste Disposal Machine não rejeitam (óbvias ou dissimuladas) influências do Metal, do Industrial, da música electrónica e até de algumas sonoridades urbano-depressivas em voga nos anos 80.
João Gonçalves, Miguel Silva, Victor Boavista e Carlos Paiva começaram “a máquina” após a dissolução do seu anterior projecto musical. A este quarteto inicial juntam-se posteriormente Victor Silva e Pedro Serra completando-se assim a primeira formação dos Waste Disposal Machine. Seguindo um percurso diferente do habitual no meio musical português, o sexteto grava em pouco tempo duas demo-tapes, aproveitando contudo apenas a segunda, First Offensive (2002) que inclui os temas As Time Goes By (You Breathe Up Your Life), On/Off, Hate e F-Act. Seguiram-se alguns concertos dos quais se destacam as primeiras partes para os franceses Twice (Julho de 2002, Torres Novas e Coimbra). Entretanto dois dos elementos fundadores, Victor Boavista e Carlos Paiva, acabam por deixar o projecto, optando a banda por substituir apenas o primeiro por Hugo 'Sach' Santos. Esta redução no line-up da banda implicou alguns meses de reestruturação dos temas entretanto compostos reforçando-se assim a componente electrónica dos Waste.
O ano de 2003 é passado essencialmente na sala de ensaios preparando a gravação do que viria a ser id Code, (que também pode ser “lido” como “I decode”) a actual demo da banda. In The Hour of Death, One Thousand Times, Infoxication, Un:real e Demonhoid são os temas escolhidos para esta nova ofensiva dos Waste procurando expor o seu actual momento e um certo ecletismo musical que tem sido a sua imagem de marca. Tematicamente as letras variam entre o intimismo de Un:real ou One Thousand Times, o excesso de informação das sociedades modernas de Infoxication, a ficção científica de Demonhoid ou a desolação suicida de In The Hour of Death.

Etiquetas:

posted by Waste Disposal Machine @ domingo, agosto 22, 2004,

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home


|